O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) da Faculdade Integrada Brasil Amazônia – FIBRA realizou nesta sexta-feira, 04 de maio, o I Mutirão Social de Família, em parceria com Centro Judiciário de Solução de Conflitos (Cejusc) do TJPA.

O mutirão teve atuação na área da Família, como divórcio, guarda de filhos, alimentos, reconhecimento de solução de união de união estável e partilha de bens. Pelo menos 28 ações de ações pré-processuais foram agendadas. Na ocasião, compareceram 23 assistidos, na qual obteve 17 acordos até o final do mutirão.

 A coordenadora do Cejusc, juíza da 4° Vara da Família, Eliane Figueiredo, afirmou que a maioria da população que participou do mutirão chegou a uma solução através do diálogo e mediação. “Conseguimos fechar vários acordos. Então, conseguir resolver o problema da população em um só mutirão é uma grande conquista”, mencionou.

A dona de casa, Lilian Ferreira, 33 anos, recebeu atendimento pela primeira vez durante a ação.  Ela disse que veio resolver a pensão alimentícia da sua filha de 17 de anos. “Fiquei muito feliz pelo atendimento, porque conseguir realizar acordo da pensão alimentícia, da guarda unilateral e direito de visita”, comentou.

De acordo com o coordenador do Núcleo de Prática Jurídica, Vicente de Paulo Noronha Fillho, os casos de alimentos e divórcio são os mais procurados no mutirão. Ele destaca que é a primeira vez que a FIBRA realiza um evento em conjunto com o Tribunal de Justiça do Pará.  

Vicente Filho, também ressalta que o NPJ, visa atender a justiça de forma rápida e eficaz, além de atender pessoas de baixa renda, que recebam até dois salários mínimos. “A ação é de fundamental importância, já que resolvemos casos sem judicializá-los, ou seja, sem ajuizar ações perante o poder judiciário”, explicou o coordenador.

Participaram do mutirão, a promotora de justiça Maria de Belém Santos, docentes do NPJ e alunos do 9° e 10° semestre do curso de Direito.