TELEFONES DE CONTATO

91 3266-3110 / 3226-5040

ENDEREÇO

Av. Gentil Bittencourt 1144.

A VIII Jornada da Saúde da Faculdade Integrada Brasil Amazônia (Fibra), realizada hoje (13) no Hotel Sagres, trouxe para o debate um tema que, segundo especialistas, se não for corrigido rapidamente pode afetar seriamente a saúde humana: a “Importância Fisiológica e Distúrbios Relacionados ao Sono”. A pauta do evento constou de mesa redonda e palestras sobre os distúrbios de sono e consequências para saúde, tratamento, dependência química, além de bases fármaco-fisiológicas.

“Sono nosso de cada dia – como e para que?” foi ministrado pelo doutor Diego Luis Silva de Castro, especialista em acupuntura e faz parte Conselho Regional de Fisioterapia, que destacou a qualidade do sono está diretamente ligada à qualidade de vida do ser humano. “Enquanto dormimos, nosso organismo realiza funções extremamente importantes: fortalecimento do sistema imunológico, secreção e liberação de hormônios, consolidação da memória, entre outras. Porém, a falta de tempo de descanso provocada pelo corrido cotidiano urbano, aliada aos inúmeros distúrbios noturnos que atingem boa parte da população, prejudica o desempenho dessas funções”. O especialista também aposta na Acupuntura “pode ser uma boa aliada no tratamento desse distúrbio do sono, essa técnica age de diferentes formas, diretas e indiretas, na melhora da insônia", conta.

Para Francinéia de Nazaré Ferreira de Castilho, enfermeira do Hospital de Clínicas Gaspar Viana, diz que o sono e a interferência no aprendizado é mais comum nos adolescentes. “Na adolescência, passamos por um atraso no relógio biológico de sono e vigília – nosso corpo quer ficar acordado até mais tarde e acordar mais tarde. A liberação de melatonina, o hormônio que induz o sono (cuja liberação é sincronizada com a diminuição da luz solar) é atrasada. O que é um problema para os adolescentes e a escola. É recomendado que os adolescentes durmam, no mínimo, 8 horas por noite. Adolescentes que dormem menos que isso apresentam uma ou mais dessas características associadas à alteração do sono e vigília: sedentarismo; uso excessivo de computadores, celulares e mídias digitais por mais de 3 horas por dia; fumam maconha ou cigarros ou consomem álcool; depressão por pressões acadêmicas”. E deu dicas “vá para a cama na mesma hora todas as noites e levante na mesma hora todas as manhãs; certifique-se de que o seu quarto é silencioso, escuro e tem um ambiente relaxante, que não é muito quente nem muito frio; certifique-se de que sua cama esteja confortável e use-a apenas para dormir e não para outras atividades, como ler, assistir TV ou ouvir música; remova ou desligue todos os televisores, computadores, celular e outros “gadgets” do seu quarto; evite grandes refeições algumas horas antes de deitar.

O evento que contou com a presença da diretora acadêmica da Fibra, Irene Noronha, foi organizado pelas coordenações dos cursos de Biomedicina, Enfermagem, Farmácia e Nutrição á frente as professora Patrícia Bentes, Cínthia Brígido, Mária Lúcia Ribeiro e Yonah Figueiras e com participação dos discentes da Fibra, além de palestrantes convidados.

© 2018 Faculdade Integrada Brasil Amazônia.