TELEFONES DE CONTATO

91 3266-3110 / 3226-5040

ENDEREÇO

Av. Gentil Bittencourt 1144.

 

Os alunos de Enfermagem, Farmácia, Servico Social, Biomedicina, Nutrição e Odontologia do Centro Universitário Fibra participaram ontem (01) da Cerimônia do Jaleco. A solenidade é uma tradição acadêmica em que os futuros profissionais vestem formalmente o jaleco pela primeira vez.

Durante o evento, o reitor da instituição, Professor Vicente de Paulo Tavares Noronha, parabenizou os presentes e enfatizou  a importância desse "rito de passagem".

"O jaleco simboliza o compromisso do aluno da saúde com a profissão que terá daqui a quatro ou cinco anos. É o compromisso de honrar a sua titulação futura", afirmou. Conforme o reitor, a solenidade reforça os valores da instituição ao estimular os alunos a desenvolverem o senso humanístico, especialmente diante  do contexto de pandemia de covid-19. "Os alunos estão bem atentos a todas as mudanças e compromissados em levar a sério todo o juramento que farão nesta manhã. O jaleco representa a ascensão deles a partir deste rito de passagem", declarou.

A Pró-Reitora acadêmica Irene Noronha Seabra informou que a cerimônia começou a ser feita pela Fibra em 2014, sendo esta a décima edição do evento. De acordo com ela, o jaleco é mais do que um mero equipamento de proteção, sendo  também o símbolo de um dom. "É uma cerimônia carregada de emoção, muito importante. Todos os nossos cursos da saúde fazem parte desse momento, que é festivo e mostra a importância de ter um desenvolvimento, não apenas científico, mas humano e sensível", argumentou.

Na ocasião, o professor em Farmácia Edgar Fernandes de Miranda Neto ministrou uma apresentação aos alunos abordando a história do jaleco e sua importância dentro da área da saúde, bem como sobre a forma correta de utilizar esse equipamento de proteção individual. Em seguida, os alunos prestaram juramento ao uso do jaleco e tiveram a vestimenta colocada pelos seus padrinhos.

Um deles foi o estudante de Enfermagem Ricardo Ferreira, 21 anos, que trouxe a avó Benedita Nascimento, de 78 anos, como madrinha de jaleco. "É um momento que a gente espera bastante no curso. A gente vai poder entrar em um laboratório já com o jaleco, seguindo as normas de segurança. É muito gratificante estar aqui", relatou.

A Cerimônia do Jaleco aconteceu no auditório Ismael Nery, no Centur, e contou com a presença de professores, alunos e um número restrito de familiares devido às medidas de segurança sanitária relativas à pandemia de covid-19.

© 2021 Centro Universitário Fibra.